Páginas

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Resenha: Gestão Escolar, democracia e qualidade do ensino

PARO, Vitor Henrique. Gestão escolar, democracia e qualidade do ensino. – São Paulo: Ática, 2007.

Vitor Henrique Paro é professor titular no Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação da Faculdade de Educação da USP, onde exerce a docência e a pesquisa na graduação e na pós-graduação.

Sobre o conceito de qualidade do ensino e sua relação com a democracia (18 páginas) de Vitor Henrique Paro, publicado (2007) pela Editora Ática de São Paulo, sendo este o primeiro capítulo componente da obra Gestão Escolar, Democracia e Qualidade do Ensino.

Em primeiro momento o autor apresenta duas dimensões da escola para uma educação para a democracia, o individual e o social sendo eles interligados pois o primeiro diz respeito ao “viver bem” o bem-estar social, o segundo visa a contribuição do indivíduo para a sociedade numa realização da liberdade.

Embora o que tem se visto no Ensino Fundamental é que a escola está muito longe dessas duas dimensões, pois o ato de aprender nesse espaço está desvinculado a qualquer sentimento de prazer. A escola se nega a propor um currículo que abrange o educar para a democracia, isto é, ela se limita a não formar os seus educandos sob a perspectiva da ética expondo a um “jogo de empurra”, a escola espera da família e a família espera da escola essa formação ética para os educandos.

Parece contraditória, uma instituição educacional que é a escola ignorar essa necessidade de capacitar seus alunos para exercerem sua cidadania de forma democrática. Para esclarecer essa falta de ação da escola o autor propõe que seja feita uma ressignificação do papel da escola rompendo com o paradigma neoliberal que conceitua a escola como formação de mão-de-obra.

O que se entende como uma formação democrática, está muito além de uma simples transmissão de informações, ela engloba que a educação deve fazer parte da vida do indivíduo numa construção histórico-cultural.

Paro ressalta também que um indivíduo completo de informações e seguro dos conhecimentos de disciplinas tradicionais da escola corresponde apenas aos interesses neoliberalistas de concorrer e serem aprovados por exames e provas concedidas pelo sistema educacional se torna irrelevante numa visão democrática que defende a educação como um ato de amor e construída dia-a-dia.

O autor ainda salienta que a escola democrática não se coloca como a única forma de transformação social, a idéia é de que esse tipo de discurso seja apropriado a todos os âmbitos culturais, políticos e, sobretudo educacional da sociedade.

A concretude da escola depende das ações que é estabelecida direta ou indiretamente no interior da escola. Qualquer ação e/ou projetos realizados com qualidade pela escola deter como protagonistas diversas pessoas envolvidas do ambiente escolar.

Além disso, é preciso considerar a concretude da escola, a sua realidade para compreender a escola não apenas como uma reprodutora daquilo que já vem pronto, definido por terceiros, sem ter qualquer elo com a realidade atual da escola.

É imprescindível que a escola não deveria estar apenas condicionada a corresponder as estatísticas do sistema educacional capitalista, logo ela deveria estar engajada num processo de qualificar os educandos na sua formação moral, ética e intelectual, sendo nesse caso a qualificação profissional apenas conseqüência de um trabalho bem feito desenvolvido com base num ensino de qualidade e democrático.

Nenhum comentário:

Postar um comentário